quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

As 12 melhores coisas que comi (pela primeira vez) em 2016


Inspirada nesta lista, também eu decidi fazer a minha própria versão, escolhendo as melhores coisas que comi, algumas pela primeira, outras pela única vez, em 2016. Sim o ano já lá vai, mas ainda a procissão vai no adro no que respeita a 2017, portanto ainda estamos em muito boa altura para balanços.
Pouca coisa me dá mais prazer do que comer, isso é bem visível e não é, de forma alguma, segredo, por isso quem sabe não vos inspiro também a provar algumas destas iguarias. Não esperem pratos gourmet e chefes michellin porque essa não é muito a minha onda, por aqui é mesmo prato cheio, idealmente petiscada, e muito, muito sabor.

Estas foram as 12 garfadas (ou colheradas) do ano:


1. Mousse de chocolate do restaurante da Rua dos Touros (Évora)

Infelizmente foi no inicio do Verão e não apontei nem me recordo do nome do restaurante. Mas sei qual é e é na Rua dos Touros em Évora. Toda a refeição foi boa, o serviço também foi bastante bom mas foi no final que me convenceram. A sobremesa foi direitinho ao lugar da melhor musse de chocolate que eu já comi e ganhou o lugar da melhor coisa que comi em 2016. 


2. Mini pataniscas de bacalhau do Tappas caffé 

Eu sou pessoa que não passa sem uma entradinha e esta entrou directamente para o meu top. São ligeiramente estaladiças e com o tamanho ideal para uma só dentada. Por vezes tenho vontade de pedir que me tragam apenas uma dose delas e nada mais! 


3. Ovos Rotos do Carnalentejana (Campo Pequeno - Lisboa) 

Na verdade esta é outra entrada mas eu perco a vergonha na cara e cada vez que lá vou peço uma série de outras entradas e depois para comer, apenas isto. Não há nada que me passe conforto como um prato de batatas fritas e ovos. Esta receita em particular com lascas de presunto Alentejano e cebola roxa, supera todas as outras do mesmo prato que já tenha comido.



4. Empadas do Restaurante da Azenha do Mar

Neste restaurante o marisco é qualquer coisa. Não é à toa que tem a maior fila de espera que já vi, que se dão ao luxo de não fazer reservas e ainda assim, as pessoas ficam, eu incluída, horas e horas à espera. Foi no desespero de uma dessas esperas que no inicio do ano passado provei estas empadas de comer e chorar por mais. E juro que não foi só por estar com fome. São mesmo muito boas. 


5. Bolo do caco de azeitona da Taberna do Relojoeiro (Barrocas, Cova da Piedade, Almada)

Já tivemos excelentes e terríveis experiências neste espaço. Maioritariamente devido ao serviço que pode ser lento e desatento. Mas uma coisa é constante, quando este pãozinho vem para a mesa, quentinho e regado com azeite e oregãos, tudo o resto é temporariamente esquecido. Só o miúdo despacha uma dose sozinho. Para pedir como entrada e a acompanhar todo o resto da refeição.  


6. Frango delicia do chef Filipe Anjos 


Este é o único prato caseiro da lista, mas seria impossível não incluí-lo. A comida desapareceu de tal maneira que demos por nós a raspar o tabuleiro. Fiz questão de aprender a receita para repetir muitas vezes cá em casa, o que já fiz. E apesar de ter sido feita por um chefe (dos Barcarola café no Porto) e a sua querida esposa, é um excelente exemplar de comida caseira de conforto.


7. Brunch da Casinha do Chá (Costa da Caparica)

Este não é um prato em particular mas sim todo um brunch. O melhor que provei em 2016. Uma relação qualidade/preço inigualável, um serviço familiar e cinco estrelas ao mesmo tempo. O prato generoso de ovos e bacon com torradas de pão rústico foi mesmo o meu favorito, mas os sumos naturais feitos na hora e os bolos caseiros acabados de fazer poderiam igualmente justificar a minha escolha. 


8. Snack de Amêndoas Munsbit do IKEA

Esta não é uma escolha obvia, mas o facto de eu, que nem sequer aprecio amêndoas, estar viciada neste pacotinho do IKEA é motivo suficiente para figurar. Estas amêndoas sabem-me a tudo de bom, parecem-me pistácios, que adoro, são super estaladiças e ligeiramente salgadas. Desde que as descobri, ando com um pacotinho destes para todo o lado! 


9. Pão de alho da Casa da Pizza das Barrocas (Cova da Piedade, Almada)

Que as pizzas da Casa da Pizza são as melhores eu já sabia, mas com a abertura deste novo espaço da marca nas Barrocas descobrimos o que o pão de alho deles também é qualquer coisa. Massa farta e alho estaladiço por cima. É outro dos favoritos do miúdo também. 


10. Menu de degustação do Gutsy (Lisboa)

Foi o jantar ideal para uma das nossas saídas a dois. Poder partilhar e ainda assim degustar toda a carta do local foi absolutamente delicioso e não só em termos do sabor da comida. Houve alguns que gostei mais, outros que ele preferiu, mas na verdade, o importante foi a experiência. 



10. Ovas panadas da Tasquinha dos Ramos (Almada)

Eu não sei como é que este lugar ainda era desconhecido para nós em 2016, mas a verdade é que até aqui nos tinha escapado. E sim, é outra meca da petiscada, mas bastaram estas ovas panadas, que somam duas das minhas coisas favoritas, tudo o que é panado e ovas, para me convencer. Com o molhinho certo, é ideal para entrada ou prato principal. 


12. Vinho Castelo de Borba - Alentejo

E só para não dizerem que tanta comida já vos está a dar sede, decidi acabar com o meu vinho favorito do ano. E espero que nenhum grande entendido de vinhos esteja a ver isto e já a bradar aos céus, porque o que se passa realmente, é que eu não sou grande apreciadora de vinho,  e como muitas outras mulheres, o meu favorito é aquele que "escorrega bem" e nem damos por ele até nos tentarmos levantar da mesa. Este é exactamente assim. Smooth, smooth...




Sem comentários:

Enviar um comentário